no itapeva times

“Lembro-me Vagamente”. Tentar escrever uma história precisa sobre as bebidas é um exercício de futilidade. Tanto pela fluidez do objeto quanto pela inebriação dos sujeitos.

Assim começa o artigo que o Dan Rolim publicou no Jornal Itapeva Times sobre as dificuldades nefelibatas da pesquisa a respeito da longa e rica história da cerveja.

Gosto muito dos artigos do Dan, sempre mesclam cozinha com alguma outra matéria humana. E ainda dá receitas – na que menciono, não perca a receita das amêndoas fritas que são deliciosas!

O Dan é chef e amigo, uma ótima aquisição ao grupo (isso que dá falar da parte amarga da vida…). É um dos idealizadores do La Tapa, bar no Tatuapé (Rua Serra de Japi, 560) com inspiração espanhola, em que você pode encontrar tanto as clássicas tapas espanholas quanto a tradicional cozinha de boteco brasileira – e se você tem fome, olha, vai de paella a feijoada… O bar sabiamente conta com uma boa carta de cervejas artesanais. Se você for, não esqueça de reparar no lustre.

cerveja na panela, um risoto

A Marília Moscou acertou em cheio num risoto, naquele melhor estilo do sem-querer-querendo. Ela fez um post simpático sobre a história, com a receita e tudo. Afinal, risco e criatividade são inerentes às grandes descobertas.

.

“Enquanto dava conta de tudo ali, abri uma porter da Way – cervejaria de que gosto muito, muito mesmo. Ando envolvida num grupo de degustação de cervejas (Hildegarda é nosso simpático nome, em homenagem a essa freira alemã proto-feminista do século XII), aprendendo muito sobre os sabores, preparação e tipos dessa grande invenção da humanidade. De repente achei que o gosto e a cor da breja combinariam com o funghi no risoto. Além de tudo eu estava sem vinho tinto para fazer a receita mais tradicional de risoto de funghi. Não tive dúvidas e mandei a breja pra panela.

No fim das contas o resultado ficou incrível”.

Leia na íntegra aqui